Último número

Volumen 67 (11)
Ver número actual
Ver todos

Números anteriores

Vol. 67 (10)
Vol. 67 (09)
Vol. 67 (08)
Vol. 67 (07)

Otros números

Suplementos Congresos English Versions

Sobre la Revista

Comité Científico Viguera Editores Proceso de revisión Sociedades oficiales e indexación

Información para autores

Enviar manuscrito Normas de publicación Consultar estado de artículo

Información para revisores

Recomendaciones para revisor
Factor Impacto 20170,601

Web Médica Acreditada. Ver más información

Revista de Neurología (24 números al año) fomenta y difunde el conocimiento generado en lengua española sobre neurociencia, tanto clínica como experimental.

Másteres online

Master in Neuroimmunology

Máster en Sueño: Fisiología y Medicina

Máster en Neuropsicología de las Altas Capacidades Intelectuales

Máster en Neurociencia Experimental y Clínica

Máster en Epilepsia

Máster en Trastornos del Espectro Autista

Máster en Trastornos del Movimiento

Máster en Neurología Tropical y Enfermedades Infecciosas

Máster en Psicobiología y Neurociencia Cognitiva

Máster en Trastorno por Déficit de Atención / Hiperactividad

Universidades

iNeurocampus Formación online

Listado de Másteres impartidos por Viguera Editores S.L.U. a través del portal www.ineurocampus.com en colaboración con distintas universidades del país

Noticias del día

Relacionan la liberación de glutamato y la fatiga asociada a la esclerosis múltiple Fecha 10/12/2018 ● Lecturas 46
Ver todas las noticias

 

Modelo de cerebro in vitro para reproducir funciones complejas Fecha 10/12/2018 ● Lecturas 29

Entrevistas

Entrevista con el profesor Michel Billiard con ocasión del 8.º Día Europeo de la Narcolepsia 2017

17/03/2017 ● Lecturas 22.644
Ver todas las entrevistas

Listado de noticias de interés relacionadas con las neurociencias

Diciembre 17 2018

Máster en Sueño: Fisiología y Medicina, 13ª Ed.
Inicio de Matrícula

Barcelona, España

Enero 14 2019

Máster en Neuropsicología de las Altas Capacidades Intelectuales, 5ª Ed.
Inicio de Matríc...

Barcelona, España

Enero 21 2019

Máster en Neurociencia Experimental y Clínica, 4ª Ed.
Inicio de Matrícula

Barcelona, España

Febrero 08 2019

XXXVI Reunión Anual de la Sociedad Valenciana de Neurología

Valencia, España

Febrero 21 2019

XV Curso Nacional de Neurorradiología

Barcelona, España

Febrero 24 2019

3rd International Brain Stimulation Conference

Vancouver, Canadá

Ver Agenda

Listado de eventos del sector y fechas de interés relacionadas con los Másteres de www.ineurocampus.com

Listado de palabras clave de la página web. Pulse en una categoría para acceder a la búsqueda de todo el contenido web (artículos, noticias, autores, entrevistas etc.) relacionado con dicha categoría

Sobre Revista de Neurología

Información Comité Científico Proceso de revisión Sociedades e indexación Contacto

¿Cómo publicar con nosotros?

Enviar manuscrito Normas para autores Información para revisores

Sobre Viguera Editores

Información

Sobre iNeurocampus

Información

Redes sociales

Facebook Twitter Google Plus
Web Médica Acreditada. Ver más información

Neurologia.com es una comunidad de conocimiento alrededor de la neurología en habla hispana, compuesta por millones de profesionales, desde estudiantes a instituciones médicas o académicas. Esta comunidad se dota de diferentes herramientas de interrelación y difusión del conocimiento en neurociencia

Entrevista

Français Português English Castellano

Entrevista com o Prof. Yves Dauvilliers para o 5º Dia Europeu da Narcolepsia 2014

13/03/2014 ● Lecturas 29.676


Prof. Yves Dauvilliers Neurologista do Departamento de Neurologia do Hospital Universitário Gui-de-Chauliac, Montpellier (França). Dirige o Centro do Sono e de referência de hipersónias raras. O Prof. Dauvilliers é reconhecido internacionalmente como perito em hipersónias
Pergunta. O Centro do Sono do Departamento de Neurologia do Hospital Universitário de Montpellier é um centro de referência internacional como pioneiro dos estudos do sono na Europa, fundado pelo Prof. Pierre Passouant. Em Julho de 1975, organizou o primeiro Simpósio Internacional de Narcolepsia. Seu sucessor, o Prof. Michel Billiard, contribuiu a reforçar a tradição, e centenas de especialistas de todo o mundo formaram-se, sob a sua direção, em Montpellier. Atualmente o Sr. representa a terceira geração. Poderia explicar-nos os objetivos e as realizações do Centro do Sono de Montpellier na atualidade?
Resposta. Para mim é um prazer dirigir a Unidade do Sono do CHU de Montpellier, centro que tem uma longa tradição em medicina do sono em geral e na narcolepsia em particular.Atualmente continuamos a trabalhar sobre diversas linhas de investigação em narcolepsia: fatores genéticos e do meio ambiente, sistema imunitário, consequência da hipofunção do sistema hipocretinérgico sobre as funções cerebrais e periféricas: (cardiovasculares, metabólicas, vícios, tomada de decisões, dor, etc.) mas também sobre as novas estratégias terapêuticas para ajudar os doentes narcolépticos.

P. Estamos interessados nos artigos que publicou sobre vacinação H1N1 (vacina excipiente ASO) e o aumento de casos de narcolepsia-cataplexia em crianças e adolescentes em França. Recentemente o Sr. Publicou em Brain (2013) com o grupo de estudo Narcoflu-VF, que observou um risco importante na população adulta. O facto que unicamente em França tenham sido publicados casos em adultos merece uma explicação. Poderia explicar os aspetos chave deste estudo? Que fatores de risco contribuíram a estender o risco em adultos?
R. Encontrámos em França uma associação entre a vacina H1N1 e narcolepsia-cataplexia em crianças e adultos, em relação a controlos, comparando o fenótipo da narcolepsia segundo a exposição à vacina. A vacina H1N1 é associada à narcolepsia-cataplexia com uma OR de 6,5 nas crianças e de 4,8 nos adultos. Existem poucas diferenças entre casos expostos e não expostos. Esta associação é robusta às análises sensíveis e uma análise específica da vacina com o excipiente revela resultados similares. Penso que a associação existe independentemente da idade, embora pareça mais marcada na criança, em relação a outros fatores ambientais como as infeções.

P. O Sr. é um dos autores das Guidelines on Management of Narcolepsy da European Federation of Neurological Societies (Eur J Neurol 2006), e liderou o desenvolvimento de um novo fármaco para o tratamento da narcolepsia, o Pitolisant (estudo Harmony). Pode comentar algo acerca deste medicamento?
R. Desde há 8 anos temos estudado os efeitos positivos e secundários do Pitolisant, um agonista inverso dos recetores H3 que ativa os neurónios histaminérgicos nos narcolépticos. Levámos a cabo um estudo aleatorizado, em dupla ocultação, de grupo paralelo em narcolepsia (Lancet Neurol. 2013). O Pitolisant na dose de 40 mg é eficaz tanto subjetiva como objetivamente em comparação com placebo e é bem tolerado em relação a Modafinilo. O Pitosilant pode também ser eficaz no controlo da frequência da cataplexia. Por fim, o Pitolisant pode ser um tratamento novo em doentes narcolépticos com um mecanismo de ação diferente, e um potencial para uma associação terapêutica,

P. O Sr. foi também o primeiro especialista no tratamento com imunoglobulina intravenosa em doentes narcolépticos, com deficiência de hipocretina, com uma melhoria clara na frequência e na gravidade da cataplexia (Ann Neurol 2004, 2006, Neurology 2009). No entanto, os resultados na literatura são controversos, inclusive sabendo que a narcolepsia é uma doença imunomediada e que portanto deveria responder a um tratamento imunomodulador. Pode dever-se à falta de estudos controlados na Europa?
R. Publicámos uma certa eficácia sobre a frequência e a gravidade das cataplexias após tratamento com imunoglobulinas intravenosas em doentes narcolépticos, com deficiência de hipocretina, e de início recente antes do tratamento. Objetivámos um efeito maior sobre os sintomas e os níveis de hipocretina no LCR num doente narcoléptico. Os nossos resultados sugerem que iniciar o tratamento quanto antes possível pode modificar o prognóstico da doença. Embora todos os estudos não sigam na mesma direção e sejam necessários estudos aleatorizados para demonstrar o potencial terapêutico das imunoglobulinas e de outros imunomoduladores o mais cedo possível após o aparecimento dos primeiros sintomas.

P. O Sr. está interessados nas hipersónias, basicamente em narcolepsia e comorbilidade psiquiátrica e publicou recentemente sobre o tema (BCM Medicine, 2013). Acredita que a deficiência de hipocretina pode ser um fator contribuinte? Existem outros estudos centrados nesta linha?
R. Os sintomas depressivos estão presentes nas hipersónias de origem central e fundamentalmente na narcolepsia. O sistema hipocretinérgico tem projeções importantes sobre a amígdala, o cingulum e o rafe dorsal, por conseguinte a sua hipofunção pode contribuir para a depressão na narcolepsia-cataplexia.

P. Interessa-lhe também a conduta baseada na recompensa e o processamento das emoções na narcolepsia humana (Front Behav Neurosci 2013). Qual e o papel do sistema hipocretinérgico nestas condutas e no processamento das emoções em humanos?
R. Além da função reguladora da vigília e do sono, a hipocretina parece regular os sistemas de recompensa, as emoções, o humor e os vícios. Os estudos em ratos narcolépticos são convincentes neste sentido mas os resultados no homem são preliminares. No entanto, o nosso grupo revelou que os narcolépticos cometem mais erros nas tarefas de tomada de decisão independentemente se estão, ou não, tratados. É possível um certo grau de vulnerabilidade à impulsividade, e ao jogo patológico, em doentes com deficiência de hipocretina, mas são necessários estudos alargados prospetivos para responder a esta problemática.

P. Finalmente, o Sr. foi membro cofundador da EU-NN, poderia resumir os resultados desta rede europeia nos últimos cinco anos e comentar algo sobre desafios futuros?
R. Precisamos de avançar na compreensão da fisiopatologia da doença, nas suas consequências e na otimização dos recursos sócio sanitários. A narcolepsia é uma doença rara, necessitamos de outros especialistas a nível europeu para avançar juntos na consolidação de uma rede europeia de narcolepsia: a EU-NN. Temos que trabalhar na mesma direção na investigação da narcolepsia. Foi criada uma base de dados para responder a perguntas clínicas importantes. Além da base de dados, realizaram-se a nível europeu um estudo pangenómico e um estudo farmacológico do Pitolisant. Contudo, devemos continuar a trabalhar juntos em projetos de investigação do meio ambiente a nível europeu, e especialmente na nossa rede europeia de narcolepsia EU-NN.
Dra. Rosa Peraita-Adrados
Unidad de Sueño y Epilepsia-Neurofisiología Clínica. Hospital Universitario Gregorio Marañón. Madrid

Prof. Juan-Vicente Sanchez-Andrés
Director asociado de Revista de Neurología Departamento médico, Viguera eds.
Sueño
Le puede interesar
Artículo en Castellano
Las evoluciones atípicas de la epilepsia rolándica son complicaciones predecibles G. Pesántez-Ríos, A. Martínez-Bermejo, J. Arcas, M. Merino-Andréu, A. Ugalde-Canitrot Fecha de publicación 01/08/2015 ● Descargas 816
Artículo en Castellano
Síndrome de ingesta nocturna relacionada con el sueño con respuesta al topiramato A. Martínez-Salio, S. Soler-Algarra, I. Calvo-García, M. Sánchez-Martín Fecha de publicación 01/09/2007 ● Descargas 892